domingo, 29 de agosto de 2010

Uma questão de centímetros Capítulo II

Voltar ou não voltar
(a pedido de várias famílias aqui está mais um capítulo que já estava mesmo muito esquecido aqui no computador)

Existem muitas razões e formas de se terminarem relações; tantas quantas as formas de reatar. No entanto, existem factos curiosos: por exemplo, se um homem acaba, na grande maioria das vezes volta, se uma mulher acaba, acaba. E acaba porque demorou muito tempo até tomar essa decisão, passando noites sem dormir, dias a comer mal e desligada do mundo e portanto, chegada a hora H enche-se de coragem e diz “acabou!” do verbo acabar que significa “fim”. O homem não pratica muito o acto de pensar e portanto como não pensa, normalmente faz asneira, porque se guia por um pensamento que teve três ou quatro horas antes, porque se esqueceu de compor o fusível e quando dá conta já disse “acabou”. Naquela cabeça acabar também significa fim, mas é um fim de curta duração, uma curta-metragem e depois vai-se a ver a película acaba e ele entra em colapso… e aí vem o “ai Jesus!”.
Depois temos as muitas e originais formas de acabar: o telemóvel, o email, a carta, até o “post-it” pode ser uma forma de o fazer; há ainda a forma de não dizer nada: pura e simplesmente desaparecem do mapa com a desculpa de “vou comprar cigarros”… e o tempo passa… e olhamos para o relógio e supomos que ele foi comprar cigarros e ficou a fumá-los lá fora, mas depois o tempo que passou é tanto que achamos que ele comprou um volume inteiro e ficou a fumá-los à porta e espreitamos muitas vezes. Com os dias a passar concluímos mas é que ele pode realmente ter comprado cigarros mas não tinha isqueiro e foi a outro sítios comprar. No fim de contas ele foi fumar os cigarros para outra freguesia e quem sabe morrer com um grande cancro no pulmão.
Mas voltando à questão “a do voltar”, a segunda oportunidade, uma nova volta, uma nova viagem: os especialistas dizem que se pode dar uma segunda oportunidade; a minha especialidade e a dos que me rodeia diz que tudo isso é muito bonito, mas que quem tem que saber isso somos nós e levar as consequências até ao fim. Saber crescer com isso e viver e quando digo viver digo respirar, sair da cama todos os dias como que se de um dia de sol se tratasse…. Um belo dia de primavera. No dia em que tomamos a decisão seja ela voltar ou não voltar respiramos fundo e seguimos em frente ou então pode acontecer que não se consiga seguir em frente e que se fique sentado no sofá à espera que passe. Podemos passar os dias a pensar o que foi que fizemos de errado, ou certo, ou as duas coisas. Podemos passar horas a tentar entender. Ou então podemos aprender a viver com isso, aprendemos que essa coisa da “responsabilidade por aquilo que escolhemos” vai viver connosco por algum (muito ou pouco isso agora não interessa) tempo, vai inspirar quando nós inspiramos, vai expirar quando nós expirarmos, vem atrás de nós para todo o lado, como se de uma segunda sombra se tratasse…. Vai estar por cá e vai sem darmos conta (ou pelo menos acreditamos que sim….).
No fim de contas podemos tanta coisa, e podemos tão pouco. E podemos fazer como fazem todas as mulheres, achar que tudo acontece sempre por uma razão, mesmo que essa razão agora não apareça, não faça sentido, mesmo que neste momento não haja razão.
E mesmo que no início nada faça muito sentido, um dia fará! (assim o esperamos!)
By me

7 comentários:

Eliana disse...

yeaaaaahhhh...um 2º capitulo!!!
Este tem pano para mangas:)Também muito bom. Miuda...es uma escritora nata!

Joana disse...

Mt bom!!!!! ;)

Menina da Invicta disse...

cm sp, em poucas palavras... sharammm! =)

descrevest tao bem! gosto mt, Mafinha!!

***

ps- manda vir ja outro capitulo. =)

Girl in Motion disse...

adorei o texto. acho que tens muita razão, embora se trate de uma generalização, e claro que há excepções de ambos os lados.

juju disse...

sempre que venho ao teu blog, tenho a sensação que perdi o fio à meada da história...a tua e até a nossa...a vida dá tantas voltas né? e ficará sempre pendente aquele cafézinho já sei...mas de qualquer das formas, sabes onde moro para qualquer motivo de interesse ou não...lá estarei :P

***

João Soares disse...

A dos cigarros tá demais mafs... mt bem. Já agora tás a escrever a tese com tanat criatividade como escreveste isto??? =) ahahahah

PS - o acabar por tlf ou mail n m parece mt criativo, mas cobardia... =)

KIss kiss do little john

Luis Sousa Reis disse...

Gostei, tocou-me...Keep it up na boa escrita ;)